Lobos-maus e chapeuzinhos-vermelhos em ilustrações para ver e ler :: Brapci ::
Processando busca...

ETD - Educação Temática Digital

v. 9, n., 2008, p. 51-64

Artigo científico
BDOI: brapci:a0000005225
DOI: empty

Lobos-maus e chapeuzinhos-vermelhos em ilustrações para ver e ler

Nets and icebergs: diagrams of power in dispute

SCARELI, Giovana.; ANDRADE, Elenise Cristina Pires de.

Resumo
Propomos olhares em movimento pelos interiores de algumas imagens em busca de reconhecer elementos de sua própria linguagem a fim de estabelecermos um diálogo com estas imagens e suas/nossas potencialidades, encantamentos, sentidos. Ver Lobos e Chapeuzinhos como fragmentos ressonantes em narrativas que se multiplicam em diferentes cenários e “contextualizações”. Nossa aposta está em não mais obedecer à necessidade representacional do questionamento “o que isso quer dizer?”, “qual o significado daquilo?”, mas possibilitar escorregões e deslizes pelas potências da contemplação e produção de sentidos na própria imagem. Ler imagens que se soltam do texto. Ler textos que se permitem desvincular das imagens; (im)possibilidades em buscar outras apresentações da menina e do animal com a intenção de tencionar os limites do que frequentemente se nomeia imagem, texto, produção cultural, e potencializar as multiplicidades na ausência do equivalente que representariam e interpretariam. Mas e quanto ao papel do professor perante a educação advinda das imagens: seríamos nós os “faxineiros/as” das “misturas”, das “diferenças” com que nos deparamos no campo educacional, na tentativa de deixar tudo mais uniforme? Se assim o for, talvez estejamos pasteurizando interpretações e análises pasteurização que não ocorre somente na indústria, mas também com as linguagens e conteúdos.
Palavras-chave: leitura de imagens; educação visual; pós-modernidade

Abstract
We consider looks in movement through the interiors of some images trying to recognize elements ofits own language in order to establish a dialogue with these images and its/ours potentialities,wondering, senses. To see resonant Bad Wolf and Little Red Riding Hood as fragments in narrativesthat multiplies in different scenes and “contexts”. Our bet is no more to obey the representationalnecessity for the question “what does this want to say?”, “which is the meaning of that?”, but to makepossible some sliding for the potency of the contemplation and sense production in the image by itself.To read images that gets free from the text. To read texts that allows it to disentail from the images;(im)possibilities in searching other presentations of the little girl and the wolf with the intention topressure the limits of what frequent is called image, text, cultural production, and to amplify themultiplicities in the absence of the equivalent that the images would represent and interpret. About theteacher’s role when the subject is the image education, we ask: should we’ll be the “cleaner” of the“mixtures”, of the “differences” that we’ll meet in the educational field, in the attempt to leave allmore uniform? If thus it will be, perhaps we’ll be pasteurized interpretations and analyses – processthat does not only occur in the industry, but also with the languages and contents.
Keywords: reading of images; visual education; postmodernity


Como citar este artigo
SCARELI, G.; ANDRADE, E. C. P. Lobos-maus e chapeuzinhos-vermelhos em ilustrações para ver e ler. ETD - Educação Temática Digital, v. 9, p. 51-64, 2008. Disponível em: <http://www.brapci.inf.br/v/a/5225>. Acesso em: 22 Fev. 2018.


Referências

field ## content
022 ## |a 1676-2592 |l 1676-2592
100 1_ |a SCARELI, Giovana.
245 10 |a Lobos-maus e chapeuzinhos-vermelhos em ilustrações para ver e ler |6 idioma Português
246 10 Nets and icebergs: diagrams of power in dispute |6 idioma Inglês
300 10 |a v. 9, n. , 2008, p. 51-64
520 3# |a Propomos olhares em movimento pelos interiores de algumas imagens em busca de reconhecer elementos de sua própria linguagem a fim de estabelecermos um diálogo com estas imagens e suas/nossas potencialidades, encantamentos, sentidos. Ver Lobos e Chapeuzinhos como fragmentos ressonantes em narrativas que se multiplicam em diferentes cenários e “contextualizações”. Nossa aposta está em não mais obedecer à necessidade representacional do questionamento “o que isso quer dizer?”, “qual o significado daquilo?”, mas possibilitar escorregões e deslizes pelas potências da contemplação e produção de sentidos na própria imagem. Ler imagens que se soltam do texto. Ler textos que se permitem desvincular das imagens; (im)possibilidades em buscar outras apresentações da menina e do animal com a intenção de tencionar os limites do que frequentemente se nomeia imagem, texto, produção cultural, e potencializar as multiplicidades na ausência do equivalente que representariam e interpretariam. Mas e quanto ao papel do professor perante a educação advinda das imagens: seríamos nós os “faxineiros/as” das “misturas”, das “diferenças” com que nos deparamos no campo educacional, na tentativa de deixar tudo mais uniforme? Se assim o for, talvez estejamos pasteurizando interpretações e análises pasteurização que não ocorre somente na indústria, mas também com as linguagens e conteúdos. |6 idioma Português
520 3# |a We consider looks in movement through the interiors of some images trying to recognize elements ofits own language in order to establish a dialogue with these images and its/ours potentialities,wondering, senses. To see resonant Bad Wolf and Little Red Riding Hood as fragments in narrativesthat multiplies in different scenes and “contexts”. Our bet is no more to obey the representationalnecessity for the question “what does this want to say?”, “which is the meaning of that?”, but to makepossible some sliding for the potency of the contemplation and sense production in the image by itself.To read images that gets free from the text. To read texts that allows it to disentail from the images;(im)possibilities in searching other presentations of the little girl and the wolf with the intention topressure the limits of what frequent is called image, text, cultural production, and to amplify themultiplicities in the absence of the equivalent that the images would represent and interpret. About theteacher’s role when the subject is the image education, we ask: should we’ll be the “cleaner” of the“mixtures”, of the “differences” that we’ll meet in the educational field, in the attempt to leave allmore uniform? If thus it will be, perhaps we’ll be pasteurized interpretations and analyses – processthat does not only occur in the industry, but also with the languages and contents. |6 idioma Inglês
650 1_ |a visual education |9 en |6 [ link ]
650 1_ |a postmodernity |9 en |6 [ link ]
650 1_ |a leitura de imagens |9 pt_BR |6 [ link ]
650 1_ |a educação visual |9 pt_BR |6 [ link ]
650 1_ |a pós-modernidade |9 pt_BR |6 [ link ]
700 1_ |a ANDRADE, Elenise Cristina Pires de.
773 0# |a Campinas |t ETD - Educação Temática Digital |x 1676-2592
856 4# |u http://www.brapci.inf.br/index.php/main/download/6011/6b45adf7246d3d72a6a932945f6e9268
BRAPCI - Base de Dados em Ciência da Informação
Acervo de Publicações Brasileiras em Ciência da Informação
Universidade Federal do Paraná
Versão 3.1A beta | 2017
brapcici@gmail.com | renefgj@gmail.com




session: 7d7053b911